Techniques of forest restoration in restingas / Técnicas de restauração florestal em restingas

Liliane Garcia da Silva Morais Rodrigues, Fernando Morais Rodrigues, Sérgio Luis Melo Viroli

Abstract


Restinga is an ecosystem of the Atlantic Forest Biome vegetation which has ecological functions and is undergoing anthropogenic occupations that result in the disturbance and its suppression of these environments. But to be the restoration of degraded restinga is necessary to know the different formations of the ecosystem and their respective characteristics. From this diagnosis, one can choose the most appropriate techniques to apply for its restoration. Thus, this study aims to conduct a literature on restoration techniques in restinga environments. It was found that forest restoration on restinga, in most cases there is use of natural regeneration techniques nucleation, and these studies highlight the successional advances and establishments of life forms preserved features of the area, thus making the restoration in these environments.

Keywords


degradation; succession;Biodiversity

References


ALBUQUERQUE, V.O.A. Avaliação da restauração em restinga do Parque Natural Municipal de Grumari, RJ. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso em Engenharia Florestal). Instituto de Florestas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Seropédica – RJ. 50p. 2010.

ALVES, R.P.; et. al. Avaliação da regeneração inicial da vegetação de restinga após remoção de plantio de pinus elliottii, no Parque Municipal da Lagoa do Peri, Florianópolis – SC. In.: FUENTES, E.V.; HESSEL, M.; HERNÁNDEZ, M.I.M. (Orgs.). Ecologia de campo na Ilha de Santa Catarina. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. 2012. 359p.

ARAUJO, D.S.D.; HENRIQUES, R.P.B. Análise florística das restingas do estado do Rio de Janeiro. In: LACERDA, L.D.; ARAUJO, D.S.D.; CERQUEIRA, R. TURQ, B. (Eds.). Restingas: Origem, Estrutura e Processos. Niterói, CEUFF, p. 47-60, 1984.

ARAUJO, D.S.D.; LACERDA; L.D. A natureza das restingas. Ciência Hoje 6(33): 42-8. 1987.

ARAUJO, D.S.D. Análise florística e fitogeográfica das Restingas do estado do Rio de Janeiro. 2000. Tese (Doutorado em Ecologia), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000.

ARAUJO, D.S.D. et al. Comunidades Vegetais do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba. In: ESTEVES, F.A. (Ed.) Ecologia das Lagoas Costeiras do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba e do Município de Macaé, RJ. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1998. p.39-62.

ARAUJO, D.S.D. Restingas: síntese dos conhecimentos para a costa sul-sudeste brasileira. In: Simpósio sobre ecossistemas da costa sul e sudeste brasileira: síntese dos conhecimentos, 1987, Cananéia. São Paulo: Aciesp, 1987. p. 333-347.

ARAUJO, D.S.D.; et al. Flora e estrutura de comunidades na Restinga de Jurabatiba -síntese dos conhecimentos com enfoque especial para a formação aberta de Clusia. In: ROCHA, C.F.D.; ESTEVES, F.A.; SCARANO, F.R. (Orgs.). Pesquisas de longa duração na Restinga de Jurabatiba: ecologia, história natural e conservação. São Carlos: RIMA, 2004. p.59-76.

BECHARA, F.C. Restauração ecológica de restingas contaminadas por pinus no Parque Florestal do rio vermelho, Florianópolis, SC. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC, 136p. 2003.

BECHARA, F.C. Unidades Demonstrativas de Restauração Ecológica através de Técnicas Nucleadoras: Floresta Estacional Semidecidual, Cerrado e Restinga. Tese. (Doutorado), Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Universidade de São Paulo. Piracicaba, 249p. 2006.

BRASIL, República Federativa. Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006. Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica, e dá outras providências. Brasília: IBGE, 2006.

______. Resolução CONAMA n.° 417, de 23 de novembro de 2009. Dispõe sobre parâmetros básicos para definição de vegetação primária e dos estágios sucessionais secundários da vegetação de Restinga na Mata Atlântica e dá outras providências. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2009.

BRESOLIN, A. Flora da restinga da Ilha de Santa Catarina. Ínsula (10): 1-54, 2 mapas, 1979.

CORREIA, G.G.S.; CREPALDI, M.O.S. Taxas de crescimento e mortalidade de espécies em áreas em restauração, Parque Estadual de Itaúnas, ES. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL, 1°, 2011, Guarapari– ES. Anais... Guarapari– ES: 2011. p.1-2.

FALKENBERG, D.B. Aspectos da flora e da vegetação secundária da restinga de Santa Catarina, sul do Brasil. Ínsula (28): 1-30, 1999.

FARIA, S. M.; CHADA, S.S. Interação microrganismos e plantas na recuperação de áreas degradadas. UNESP/ Rio Claro, 2003. 2p. Disponível em: Acesso em: 25/03/2007.

GERZSON, N. D.; et. al. Efetividade de medidas complementares de restauração em vegetação de restinga. In.: FUENTES, E.V.; HESSEL, M.; HERNÁNDEZ, M.I.M. (Orgs.). Ecologia de campo na Ilha de Santa Catarina. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. 2012. 359p.

GRIFFITH, J.J.; DIAS, L.E.; DE MARCO JR., P. A recuperação ambiental. Ação Ambiental, Viçosa, MG, n. 10, p. 8-11, fev./mar. 2000.

HAY, J.D.; L.D. LACERDA. 1984. Ciclagem de nutrientes no ecossistema de restinga. In: LACERDA, L.D.; ARAUJO, D.S.D.; CERQUEIRA R. & TURCQ, B. (Org.). Restingas: origem, estrutura, processos. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, CEUFF, 1984. p.459-475.

HERRERA, R.A.; ULLOA, D.R.; VALDÉS-LAFONT, O.; PRIEGO, A.G.; VALDÉS, A.R. Ecotehnologies for the sustainable management of tropical forest diversity. Nature and Research, Paris, v.33, p.1-17, 1997.

HMELJEVSKI, K.V.; LEHMANN, D. Exemplos de restauração: restinga. In: Apostila de restauração ambiental sistêmica do laboratório de ecologia florestal. Florianópilis: UFSC, s.d. 110p.

LACERDA, L.D.; ARAUJO, D.S.D.; MACIEL, N.C. Dry coastal ecosystems of the tropical Brazilian coast. In: VAN der MAAREL, E. (Org.). Dry coastal ecosystems: Africa, Asia and Oceania. Amsterdam: Elsevier, 1993. p.477-493.

MARTIN, L. et al. Geologia do Quaternário costeiro do litoral norte do Rio de Janeiro e do Espírito Santo. Belo Horizonte: CPRM/FAPESP, 1997.

MENEZES, L.F.T.; ARAUJO, D.S.D. Formações vegetacionais da Restinga da Marambaia, Rio de Janeiro. In: MENEZES, L.F.T.; PEIXOTO, A.L.; ARAÚJO, D.S.D. (Orgs.). História natural da Marambaia. Rio de Janeiro: EDUR, 2005. p.67-120.

NAVE, A.G. Banco de sementes autóctone e alóctone, resgate de plantas e plantio de vegetação nativa na Fazenda Intermontes, município de Ribeirão Grande, SP. Tese (Doutorado), Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Universidade de São Paulo. Piracicaba, 218p. 2005.

NEWSHAM, K.K.; FITTER, A.H.; WATKINSON, A.R. Multi-functionality and biodiversity in arbuscular mycorrhizas. Trends in Ecology and Evolution, Amsterdam, v.10, p.407-411, 1995.

PEREIRA, O.J. Caracterização fitofisionômica da Restinga de Setiba - Guarapari, ES. In: SIMPÓSIO DE ECOSSISTEMAS DA COSTA SUL E SUDESTE BRASILEIRA: ESTRUTURA, FUNÇÃO E MANEJO, 2., 1990, São Paulo. Anais... São Paulo: ACIESP, 1990. v.3. p.207-219.

PEREIRA, O.J. Restinga: origem, estrutura e diversidade. In: JARDIM, M.A.G.; BASTOS, M.N.C.; SANTOS, J.U.M. (Orgs.). Desafios da Botânica Brasileira no Novo Milênio: inventário, sistematização e conservação da biodiversidade vegetal. Belém: Sociedade Brasileira de Botânica, 2003. p.177-179.

REIS, A., BECHARA, F. C., ESPINDOLA, M. B., VIEIRA, N. K. & LOPES, L. Restauração de áreas degradadas: a nucleação como base para os processos sucessionais. Natureza & Conservação, 28-36, 2003.

REIS-DUARTE, R.M.; SILVA, O.A.; CASAGRANDE, J.C.; BARBOSA, L.M. A Floresta da Restinga das Palmas: um mosaico de estádios sucessionais em regeneração natural (Parque Estadual da Ilha Anchieta, Ubatuba, SP). Publicações Avulsas do Instituto Pau Brasil de História Natural, Ubatuba, n. 10, p. 43-72, out. 2007.

SUGUIO, K. Dicionário de Geologia Marinha (com termos correspondentes em inglês, francês e espanhol). T.A.Q.: São Paulo. 1992. p. 171.

SUGUIO, K.; TESSLER, M.G. Planícies de cordões litorâneos quaternários do Brasil: origem e nomenclatura., In: Restingas: origem, estrutura e processos. Universidade Federal Fluminense (UFF): Rio de Janeiro. 1984.p. 15-25.

TOMAZI, A.L.; et. al. Diversidade de formas de vida vegetal como indicador do status de regeneração de uma restinga arbustivo-arbórea em processo restaurativo. In.: FUENTES, E.V.; HESSEL, M.; HERNÁNDEZ, M.I.M. (Orgs.). Ecologia de campo na Ilha de Santa Catarina. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. 2012. 359p.

TONHASCA-JUNIOR, A. Ecologia e história natural da Mata Atlântica. Rio de Janeiro: Interciência, 2005.

WAECHTER, J.L. Aspectos ecológicos da vegetação de restinga no Rio Grande do Sul, Brasil. Comunicações do Museu de Ciências da PUCRS, série Botânica (33): 49-68,1985.

ZAMITH, L.R.; SCARANO, F.R. Produção de mudas de espécies das Restingas do município do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Acta bot. bras. 18(1): 161-176. 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.18067/jbfs.v3i1.42

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



 

Follow us

FacebookTwitter

J. Bioen. Food Sci., Macapá, AP, Brazil. eISSN 2359-2710

  Licença Creative Commons 

The journal is licensed with Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

 

Address for correspondence

Professor Victor Hugo Gomes Sales

Journal of Bioenergy and Food Science

Federal Institute of Amapá, Campus Macapá.

Rodovia BR 210 KM 3, s/n Bairro Brasil Novo. CEP: 68.909-398. Macapá, Brazil.

Phone: +55 (96) 3198-2150

jbfs@ifap.edu.br | suporte.jbfs@ifap.edu.br