Evaluation of tamarind jelly without pectin and pectin from the albedo of yellow passion fruit

Florisvaldo Gama de Souza, Fabrizio da Fonseca Barbosa, Fernando Morais Rodrigues

Abstract


The tamarind is a raw material valued in the world due to its nutritional components that contribute to their healthy characteristics. The purpose of this work was to develop two formulations of tamarind, a jelly without pectin and another with pectin extracted from the albedo of yellow passion fruit (Passiflora edulis), and after the period of 15 days evaluate the physical and chemical quality, microbiological and sensory. The physicochemical characteristics evaluated were pH, titratable total acidity (ATT), total soluble solids (TSS), SST/ATT, moisture and ash. The microbiological analysis consisted in the research of molds and yeasts. Sensory analysis was performed for 60 untrained tasters that evaluated the attributes of color, appearance, consistency, smell and taste in hedonic scale of nine points, and assessed the overall impression, the frequency of consumption, the ratio of consumption, and buy intention. The jelly prepared with pectin addition of passion fruit albedo presented in general all the physicochemical and microbiological characteristics established by law. All jelly formulations showed good sensory acceptance. The intention to purchase revealed that all products have been well accepted by the judges, who said they definitely or probably buy. The highest acceptability rates were to jam without pectin.

Keywords


Processing, Tamarindus indica, Passiflora edulis

References


(1) HAMACEK, F. et al. Tamarindo do cerrado mineiro: caracterização física, físico-química, carotenóides e vitaminas. Nutrire, v.36, Sup, p.69-69, 2011.

(2) DONADIO, L.C.; NACHTIGAL, J.C.; SACRAMENTO, C.K. do. Frutas exóticas. Jaboticabal: FUNEP, 1988, 279p.

(3) URSZULA, T.; LÓPEZ, J.F.; ÁLVAREZ, J.A.P.; MARTOS, M.V. Chemical, physicochemical, technological, antibacterial and antioxidant properties of rich-fibre powder extract obtained from tamarind (Tamarindus indica L.). Industrial Crops and Products, v.55, p.155-162, 2014.

(4) IZZO, A.A.; CARLO, G.D.I; BORRELLI, F.; ERNST, E. Cardiovascular pharmacotherapy and herbal medicines: the risk of drug interaction. International Journal of Cardiology, v.98, n.1, p.1-14, 2005.

(5) HAVINGA, R.M.; HARTL, A.; PUTSCHER, J.; PREHSLER, S.; BUCHMANN, C.; VOGL, C.R. Tamarindus indica L. (Fabaceae): Patterns of use in traditional African medicine. Journal of Ethnopharmacology. v.127, n.3, p.573-588, 2010.

(6) GURJÃO, K.C.O. Desenvolvimento, armazenamento e secagem de tamarindo (Tamarindus indica L.). 2006. 145f. Tese (Doutorado em Agronomia) - Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Paraíba, Areia-PB, 2006.

(7) FERREIRA, E.A.; MENDONÇA, V.; SOUZA, H.A. de; RAMOS, J.D. Adubação fosfatada e potássica na formação de mudas de tamarindeiro. Scientia Agrária, v.9, n.4, p.475-480, 2008.

(8) KOPF, C., Técnicas de processamento de frutas para a agricultura familiar. 2008. Disponível em: . Acesso: em nov. de 2012.

(9) COSTA, E. et al. Diferentes composições de substratos e ambientes protegidos na formação de mudas de pé-franco de tamarindeiro. Revista Brasileira de Fruticultura, v.34, n.4, 2012.

(10) BRASIL. Resolução CNS, Resolução Normativa N° 15, de 1978. Define termos sobre geleia de frutas. Diário Oficial da União, Brasília, de 11 de dezembro de 1978.

(11) BRASIL. Resolução ANVISA/MS. RDC N°272 de 22 de setembro de 2005. Aprova o regulamento técnico para produtos de vegetais, produtos de frutas e cogumelos comestíveis. Diário Oficial da União, Brasília, de 23 de setembro de 2005.

(12) BRASIL. Resolução ANVISA/MS. RDC Nº. 45, de 03 de novembro de 2010. Dispõe sobre aditivos alimentares autorizados para uso segundo as Boas Práticas de Fabricação (BPF). Diário Oficial da União, Brasília, de 05 de novembro de 2010.

(13) ABREU, M.C.; NUNES, I.F.S.; OLIVEIRA, M.M.A. Perfil microbiológico de polpas de frutas comercializadas em Teresina, PI. Higiene Alimentar, v.17, n.112, p. 78-81, 2003.

(14) VENDRUSCOLO, C.T; MOREIRA, A. da S.; SILVA, J. L. da. Tecnologia de Frutas e Hortaliças: geleias, doces cremosos e em massa. 2.ed. rev. Pelotas: Ed. Universitária da UFPEL, 2012.

(15) FRANCO, B. D. G. M.; LANDGRAF, M. Microbiologia dos Alimentos. São Paulo, Ed. Atheneu, 2007. p27-171.

(16) GOMES, J. C.; OLIVEIRA, G. F. Análises físico-químicas de alimentos. Viçosa- MG: Ed. UFV, 2012. 3030 p.

(17) ANZALDÚA-MORALES A. La evaluación sensorial de los alimentos en la teoría y lapráctica. Zaragoza: Acribia, 1994. 198p.

(18) FERREIRA, V.L.P.; ALMEIDA, T.C.A.; PETTINELLI, M.L.C.V.; SILVA, M.A.A.P.; CHAVES, J.B.P.; BARBOSA, E.M.M. Análise sensorial: testes discriminativos e afetivos. manual: série qualidade. Campinas, SBCTA, 2000. 127p.

(19) JACKIX, M.H. Doces, geleias e frutas em calda. Campinas: Unicamp. São Paulo: Ícone. 1988.

(20) LIRA FILHO, J.de; JACKIX, M. de N.H. Utilização da casca do maracujá-amarelo (P. edulisf. Flavicarpa, Degener) na produção de geléia. Fortaleza : EMBRAPA-CNPAT, 1996. 23p. (EMBRAP A-CNPAT, Boletim de Pesquisa, 17).

(21) ADDINSOFT: Xlstat supplement. Versão 7.5.2 para Excel 2010. Reino Unido: Addinsoft 2015.

(22) INSTITUTO ADOLF LUTZ. Normas Analíticas do Instituto Adolf Lutz. v.1: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos; 3ª Ed. São Paulo: IMESP, 2005.

(23) AOAC. Association of Official Analytical Chemists. Official Methods of Analysis of AOAC International. 17th. v. II., 2000.

(24) SILVA, N. da et al. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. São Paulo: Livraria Varela, 536p. 2007.

(25) STONE, H.S.; SIDEL, J.L. Sensory Evaluation Practices. Academic Press, San Diego, CA. 1993, 308p.

(26) TEIXEIRA, E.; MEINERT, E.M.; BARBETTA, P.A. Métodos sensoriais. In: Análise sensorial de alimentos. Florianópolis, Editora da UFSC, 1987. p. 66-119.

(27) DUTCOSKY, Silvia Deboni. Análise sensorial de alimentos. Champagnat, 2011.

(28) MACÊDO, L. de S.; ARAÚJO, I.A. de; FRANCO, C.F. de O. Caracterização físico-química de frutos da mangabeira nativa e naturalizada da Mata Paraibana. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE A CULTURA DA MANGABA, 2003, Aracajú. Anais... Aracajú: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2003. 1 CD.

(29) TACO. Tabela brasileira de composição de alimentos / NEPA – UNICAMP. 4. ed. rev. e ampl. - Campinas: NEPAUNICAMP, 2011. 161 p. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2013.

(30) ABRAMOVIC, H.; JAMNIK, M.; BURKAN, L.; KAC, M. Water Activity and Water Content in Slovenian Honeys. Food Control, v.19, n.11, p. 1086-1090, 2008.

(31) LOVATEL, J.L.; CONSTANZI, A.R; CAPELLI, R. Processamento de frutas e hortaliças. Caxias do Sul –RS: Educs, 2004. 189 p.

(32) CHITARRA, A.B.; CHITARRA, M.I.F. Pós-colheita de frutos e hortaliças: fisiologia e manuseio. Lavras: ESAL/FAEPE, 1990, 293p.

(33) GONÇALVES, N.B.; CARVALHO, V.D. de; GONÇALVES, J.R. de A.; COELHO, S.R.M.; SILVA, T. das G. Caracterização física e química dos frutos de cultivares de mangueira (Mangifera indica L.). Ciência e Agrotecnologia, v.22, n.1, p.72-78, 1998.

(34) BARCIA, M.T.; MEDINA, A.L.; ZAMBIAZI, R.C. Características físico-químicas e sensoriais de geleias de jambolão. Boletim do Centro de Pesquisa de Processamento de Alimentos, v.28, n.1, p.25-36, 2010.

(35) AGUIAR, L.P. Qualidade e potencial de utilização de bacuris oriundos da região Meio-Norte. Fortaleza, 2006, 122f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Alimentos) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, 2006.

(36) COSTA, L. Qualidade pós-colheita de citros. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v.17, n.80, p.45-51, 1994.

(37) MAHAN, L.K.; ESCOTT-STUMP, S. Krause: alimentos, nutrição e dietoterapia. 12. ed. São Paulo: Roca, 2010.

(38) MAIA, G.A.; SOUZA, P.H.M. de; LIMA, A. da S. Processamento de sucos de frutas tropicais. Fortaleza: Edições UFC, 2007.

(39) BRASIL. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº. 12, de 02 de janeiro de 2001. Regulamento Técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos, publicada no Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 de janeiro de 2001, seção 1, p. 45 a 53.

(40) DELIZA, R. Importância da qualidade sensorial em produtos minimamente processados. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE PROCESSAMENTO MÍNIMO DE FRUTAS E HORTALIÇAS, 2., 2000, Viçosa. Palestras. Viçosa: UFV, 2000. p. 73-74.

(41) MODESTA, R.C.D. Manual de análise sensorial de alimentos e bebidas. Rio de Janeiro: EMBRAPA-CTAA, 1994. 67 p.

(42) CORREIA, R.T.P.; Mendonça, S.C.; Lima, M.L.; Silva, P.D. Avaliação química e sensorial de linguiças de pescado tipo frescal. Boletim do Centro de Pesquisa de Processamento de Alimentos, v.19, n.2, p.183-189, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.18067/jbfs.v3i2.52

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



 

Follow us

FacebookTwitter

J. Bioen. Food Sci., Macapá, AP, Brazil. eISSN 2359-2710

  Licença Creative Commons 

The journal is licensed with Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

 

Address for correspondence

Professor Victor Hugo Gomes Sales

Journal of Bioenergy and Food Science

Federal Institute of Amapá, Campus Macapá.

Rodovia BR 210 KM 3, s/n Bairro Brasil Novo. CEP: 68.909-398. Macapá, Brazil.

Phone: +55 (96) 3198-2150

jbfs@ifap.edu.br | suporte.jbfs@ifap.edu.br