Uso do enxofre nos componentes de produção e qualidade de bulbos de cebola

Larissa Urzêdo Rodrigues, Taynar Coelho de Oliveira Tavares, alvaro jose Gomes Faria, Marcelo Cruz Tomazi, Rodrigo de Castro Tavares, Ildon Rodrigues do Nascimento

Abstract


A pungência é um dos principais parâmetros que interfere na qualidade do bulbo da cebola, sendo controlada por fatores genéticos, ambiental e nutricional. Quando os fatores genéticos e ambientais são adequados, o uso de fontes de enxofre pode promover a melhoria da qualidade do bulbo. O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos da aplicação do gesso agrícola como fonte de enxofre nos componentes de produção e qualidade pós-colheita de duas cultivares de cebola sob condição de ambiente úmido com moderada deficiência hídrica. O delineamento experimental foi em blocos casualizados com quatro repetições, em esquema fatorial 5x2. O primeiro fator representa cinco doses de enxofre (S-SO42-) (0, 50, 100, 150 e 200 kg ha-1) e o segundo fator por duas cultivares de cebola (Bella Vista e Bella Catarina). A fonte de enxofre utilizada foi o gesso agrícola (15% S-SO42). O aumento nas doses de enxofre proporcionou resultados positivos na massa dos bulbos, produtividade, acidez total e pungência de ambas as cultivares de cebola. A maior produtividade foi de 24,5 t ha-1 obtida através da Bella Catarina com o uso de 200 kg SO42- ha-1. O gesso agrícola como fonte de enxofre e uma alternativa promissora na produção e qualidade da cebola no Sul do Tocantins.


Keywords


Allium cepa L., gesso agrícola, doses, produtividade, pós-colheita

Full Text:

PDF (PORTUGUESE)

References


Anthon, G. E., & Barrett, D. M. 2003. Modified for the determination of pyruvic acid with DNPH in the assessment of onion pungency. Journal of the Science of Food and Agriculture,83: 1210-1213.

AOAC - Association of Official Analytical Chemists. Official methods of analysis of the Association Analytical Chemists. 18th ed. Gaithersburg, 2005. 1298 p.

Carline, J. V. G., Tavares, A. T., Freitas, J. A., Milhomens, K. K. B., & Nascimento, I. R. 2017. Épocas de cultivo de cebola no Centro Sul do estado do Tocantins. Applied Research & Agrotechnology, 10(2):33-42.

Chitarra, M. I. F., & Chitarra, A. B. 2005. Pós-colheita de frutas e hortaliças: fisiologia e manuseio. Lavras: UFLA.

CEAGESP. Classificação da cebola. Disponível em< http://www.ceagesp.gov.br/wp-content/uploads/2015/07/cebola.pdf >. Acesso em: 24 de out. 2018.

Dhumal, K., Datir, S., & PANDEY, R. 2007. Assessment of bulb pungency level in different Indian cultivars of onion (Allium cepa L.). Food Chemistry, 100(4):1328-1330.

El Balla, M. M. A., & HAMID, A. A., Abdelmageed, A. H. A. 2013. Effects of time of water stress on flowering, seed yield and seed quality of common onion (Allium cepa L.) under the arid tropical conditions of Sudan. Agricultural Water Management, 121:149-157.

Filgueira, F. A. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna para a produção de hortaliças. 3. ed. Viçosa, MG: UFV, p. 421, 2008.

Ferreira, D. F. 2014. Sisvar: the Guide for its Bootstrap procedures in multiple comparisons. Ciência e Agrotecnologia, 38(2):109-112.

Grangeiro, L. C., Souza, J. O., Aroucha, E. M. M., Nunes, G. H. S., & Santos, G. M. 2008. Características qualitativas de genótipos de cebola. Ciência e Agrotecnologia, 32(4):1087-1091.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Levantamento sistemático da produção agrícola. Disponível em < http://www.sidra.ibge.gov.br>. Acesso em: 16 Set 2018.

Köppen, W. 1948. Climatologia: con un estudio de los climas de la tierra. Fondo de Cultura Econômica. México. 479p.

Kurtz, C., Menezes Júnior, F. O. G., & Higashikawa, F. S. Fertilidade do solo, adubação e nutrição da cultura da cebola. Florianópolis: Epagri, 2018. p.104 (Epagri, Boletim Técnico, 184.).

Nogueira M. A., & Melo, W. J. 2003. Enxofre disponível para a soja e atividade de arilsulfatase em solo tratado com gesso agrícola. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 27:655-663.

Oliveira, V. R. 2004. Cebola doce. Horticultura Brasileira, 22(1).

Randle, W. M. 1997. Onion flavor chemistry and factors influencing flavor

intensity. ACM Symposium Series, 660:41-42.

Schwimmer, S., & Weston, W. J. 1961. Enzymatic develomassa molecularent of pyruvic acid in onion as a measure of pungency. Journal of Agricultural and Food Chemistry, 9(4):301-304.

Schunemann, A. P., Treptow, R., Leite, D. L., & Vendruscolo, J. L. 2006.

Pungência e características químicas em bulbos de genótipos de cebola (Allium cepa L.) cultivados no alto vale do Itajai, SC, Brasil. Revista Brasileira Agrociência, 12(1):77-80.

Souza, M. A. S., Faquim, V., Guelfi, D. R., Oliveira, G. C., & Bastos, C. E. A. 2012. Acúmulo de macronutrientes na soja influenciado pelo cultivo prévio de capim-marandu, correção e compactação do solo. Revista Ciência Agronômica, 43(4):611-622, 2012.

Sun Yoo, K., Pike, L., Crosby, K., Jones, R., & Leskovar, D. 2006. Differences in onion pungency due to cultivars, growth environment, and bulb sizes. Scientia Horticulturae, 110:144-149.




DOI: http://dx.doi.org/10.18067/jbfs.v7i4.290

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



 

Follow us

FacebookTwitter

J. Bioen. Food Sci., Macapá, AP, Brazil. eISSN 2359-2710

  Licença Creative Commons 

The journal is licensed with Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

 

Address for correspondence

Professor Victor Hugo Gomes Sales

Journal of Bioenergy and Food Science

Federal Institute of Amapá, Campus Macapá.

Rodovia BR 210 KM 3, s/n Bairro Brasil Novo. CEP: 68.909-398. Macapá, Brazil.

Phone: +55 (96) 3198-2150

jbfs@ifap.edu.br | suporte.jbfs@ifap.edu.br