Evaluation sensory of canned matrinxã (Brycon amazonicus) in vegetable oil

Caroline Dantas Mendes Silva, Caroline Roberta Freitas Pires, Diego Neves Sousa, Patrícia Costa Mochiaro Soares Chicrala, Viviane Rodrigues Verdolin Santos

Abstract


The canning industry in Brazil has supply problems, since the extractive fishing sardine does not meet industry demand, causing the need to import fish from other countries. In this context, there is the proposal to use the matrinxã (Brycon amazonicus) as an alternative to sardines (Sardinella brasiliensis) for the canning of fish industry. This work aimed to evaluate the nutritional and sensory quality and matrinxã cans in vegetable oil. To evaluate the acceptance we used three canned fish samples with vegetable oil coverage, as follows: matrinxã, freshwater and saltwater sardine sardines. A preference test and an acceptance hedonic scale of nine points was applied. There was no significant difference in preference between the matrinxã and freshwater sardines, however, the matrinxã and saltwater sardines differ significantly, and canned matrinxã was the most preferred. For the color attribute, flavor and overall impression there was no significant difference between the three fish, as for the taste attribute, matrinxã presented higher acceptance significantly differing from saltwater sardines. In the chemical composition, the matrinxã showed a protein content of 28.67%, moisture 51.67%, 15.67% and total lipids 2.67% minerals. Therefore, it is concluded that the matrinxã is a good option for canned fish industry, as presented good nutritional quality and high acceptance compared to traditional canned fish.

Keywords


Fish. Brycon amazonicus. Quality. Centesimal composition.

References


(1). TESSLER, M. G.; GOYA, S. C. Processos Costeiros Condicionantes do Litoral Brasileiro. Revista do Departamento de Geografia, n.17, p.11-23, 2005. DOI 10.7154/RDG.2005.0017.0001

(2). TAVARES-DIAS, M.; FRASCÁ-SCORVO, C.M.D.; CAMPOS-FILHO, E.; F. R. MORAES, F.R. Características Hematológicas de teleósteos Brasileiros. IV. Parâmetros Eritroleucométricos, Trombométricos e Glicemia do Matrinxã (Brycon cephalus Günther, 1869) (Osteichthyes: Characidae). Arquivo de Veterinária, v.15, n.3, p.149-153, 1999.

(3). CRAEF, E.W.; RESENDE, E.K.; PETRY, P.; FILHO, A.S.Policultivo de matrinchã (Brycon sp) e jaraqui (Semaprochilodus sp.) em pequenas represas. Acta Amazonica, v. 16/17, p.33-42, 1986/1987. DOI: 10.1590/1809-43921987175042.

(4). FEIRA NACIONAL DO CAMARÃO. Aquicultura na América Latina e Caribe – Situação Atual, Tendências e Perspectivas. 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2015.

(5). CONSELHO NACIONAL DE PESCA E AQUICULTURA (CONEPE). Balanço comercial 2015/julho. Acesso em: 16 set.2014.

(6). CARVALHO, C.E.V.; FARIA, V.V.; CAVALCANTE, M.P.O.; GOMES, M.P. & REZENDE, C.E. Distribuição de metais pesados em peixes costeiros bentônicos da região de Macaé, RJ., Brasil. Ecotoxicology and Environmental Restoration, v. 3, n. 2, p. 64-68, 2000.

(7). BATISTA, L.X. Tecnologia de produção de conserva de tilápia (Oreochromis niloticus, Linnaeus, 1758 – Linhagem chitralada). 2005. 38f. Dissertação (Mestrado em Recursos Pesqueiros e Aquicultura) – Programa de pós-graduação em recursos pesqueiros e aquicultura, Universidade Federal Rural de Pernambuco.

(8). AOAC- Association of Official Analytical Chemists. Official methods of analysis of the Association Analytical Chemits. 16 ed., Gaithersburg: AOAC International, 1998.

(9). MAHAN, L. K.; ESCOTT-STUMP, S. Krause: alimentos, nutrição e dietoterapia, 10ª edição, São Paulo: Roca, 2002.

(10). CHAVES, J.B.P.; SPROESSER, R.L. Práticas de laboratório de análise sensorial de alimentos e bebidas. 1a ed. Viçosa: UFV; 2002. 81p.

(11). FERREIRA, D.F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, p. 1039-1042, 2011.

(12). BATISTA, G.M.; LESSI, E.; KODAIRA, M.; FALCÃO, P.T. Alterações bioquímicas post-mortem de matrinxã Brycon cephalus (Günther, 1869) procedente da piscicultura, mantida em gelo. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.24, n.4, p.573-581, 2004.

(13). SUÑÉ PFEIFER SANT’ANNA, C.; MARCOS, L. Avaliação da Composição físico - química de amostras de tilápia (Oreochromis niloticus). In: XVIII Congresso de Iniciação Científica, XI Encontro de pós-graduação, I Mostra Cinetífica, 2009, Pelotas, Brasil, Universidade federal de Pelotas. – UFP, 2009.

(14). ANDRADE, G.Q.; BISPO, E.S.; DRUZIAN, J.I. Avaliação da qualidade nutricional em espécies de pescado mais produzidas no Estado da Bahia. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.29, n.4, p.721-726, 2009.

(15). CAULA, F.C.B. et al. Teor de colesterol e composição centesimal de algumas espécies de peixes do Ceará. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.28, n.4, p.959-963, 2008. DOI 10.1590/S0101-20612008000400031.

(16). SANCHEZ, L.; GOMES, M.I.; SASE, L.E. Armazenamento da Pescada do Piauí, Plagioscions squamosissimus (Hechel, 1840), resfriadas. I. Evolução da composição química e alguns indicadores de frescor. Alimentos e Nutrição, São Paulo, v.2, p.73-82, 1990.

(17). SALES, R.O.; MAIA, E.L. Composição química e classes de lipídios em peixes de água doce tambaqui, Colossoma macropom. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal, v.07, n.2, p.31-44, 2013. DOI 10.5935/1981-2965.20130009

(18). SANTOS, A.B. Composição Bromatológica do Filé da Palometa (Serrasalmus sapilopleura Kner, 1860) na região de Uruguaiana-RS/Brasil. Revista da Faculdade de Zootecnia, Veterinária e Agronomia. Uruguaiana, v.13, n.2, p.166-170, 2006.

(19). ACKMAN, R. G. Nutritional composition of fats in seafoods. Progress in Food and Nutrition Science, Oxford, v. 13, n. 1 p. 161-241, 1989.

(20). ORDÓÑEZ, A. J. Tecnologia de Alimentos – Alimentos de origem animal. Artmed, 2005, vol.2. ed. 1, 280p, 2005.

(21). LOIKO, M.R. Avaliação físico-química e perfil lipídico de Sardinha (Sardinella brasiliensis) e Atum (Thunnus tynnus) em óleo e molho. 2011. 38f. Monografia (Especialização). Curso de Especialização em Produção, Tecnologia e Higiene de Alimentos de Origem Animal, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

(22). COLEMBERGUE, J.P.; GULARTE, M.A.; ESPÍRITO SANTO, M.L.P. Caracterização química e aceitabilidade da sardinha (Sardinella brasiliensis) em conserva adicionada de molho com tomate. Alimentos e Nutrição, v. 22, n. 2, p. 273-278, 2011.

(23). TORRANO, A. D. M.; TOMASELLI, M.; GOMES, C. O. Estudo sobre um método de processamento para obtenção de sardinha defumada e sua aceitabilidade. Boletim CEPPA, v.8, n.1, p.28-34, 1990. DOI 10.5380/cep.v8i1.14496

(24). LUZIA, L.A. et al. The influence of season on the lipid profiles of five commercially important species of Brazilian fish. Food Chemistry, Champaign, v.83, n.1, p.93-97, 2003. DOI 10.1016/S0308-8146(03)00054-2

(25). MOREIRA, A.B. et al. Fatty acids profile and cholesterol contents of three Brazilian Brycon freshwater fishes. Journal of food Composition and Analysis, London, v.14, n.6, p.565-574, 2001. DOI 10.1006/jfca.2001.1025

(26). PIZATO, S. et al. Avaliação da qualidade tecnológica apresentada pela tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) enlatada. Ciências Agrárias, Londrina, v.33, n.2, p.667-674, 2012. DOI 10.5433/16790359.2012v33n2p667

(27). DUTRA, F.M. Avaliação sensorial do processamento em conserva, utilizando-se as espécies: tilápia (Oreochromis niloticus), lambari (Astianax spp) e pacu (Piaractus mesopotamicus). Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, v14, n.3, p.239-244, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18067/jbfs.v3i3.96

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



 

Follow us

FacebookTwitter

J. Bioen. Food Sci., Macapá, AP, Brazil. eISSN 2359-2710

  Licença Creative Commons 

The journal is licensed with Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

 

Address for correspondence

Professor Victor Hugo Gomes Sales

Journal of Bioenergy and Food Science

Federal Institute of Amapá, Campus Macapá.

Rodovia BR 210 KM 3, s/n Bairro Brasil Novo. CEP: 68.909-398. Macapá, Brazil.

Phone: +55 (96) 3198-2150

jbfs@ifap.edu.br | suporte.jbfs@ifap.edu.br